Artrite Reumatóide

Artrite Reumatóide

 É um tipo de artrite considerada crônica, de causa auto-imune que se manifesta como inflamação das articulações periféricas (membros superiores e inferiores) e outros diferentes distúrbios, como alterações neurológicas, cardiovasculares, pulmonares e hematológicas. As lesões se distribuem, geralmente, de modo simétrico, isto é, as que aparecem do lado esquerdo tendem também a surgir do lado direito e vice-versa, e começam nas mãos e nos pés.

 

Tratamento

O tratamento convencional é feito com drogas antiinflamatórias, analgésicas e imunossupressoras. O ácido acetilsalicílico — e às vezes os antiin­flamatórios não esteróides, são o recurso empregado no começo das manifestações dolorosas. Os glicocorticóides não alteram significativamente a evolução da doença,­ embora, em muitos casos no começo suprimam drasticamente os sintomas. Mas apresentam, entre outros, o perigoso efeito colateral, a longo prazo, da osteopenia (enfraquecimento dos ossos).­

É importante incentivar o doente a continuar em atividade, respeitando-se, obviamente, certos limites. Podem ser necessárias adaptações a atividades de menor exigência física. Procurar manter-se ocupado, sem, contudo, estafar-se, sempre ajuda a conservar a capacidade funcional e previne a depressão, muitas vezes resultante do sentimento de perda de utilidade.

O tratamento tem por objetivo reduzir a dor, diminuir a inflamação e deter, tanto quanto possível, a evolução da doença. A fisioterapia e o uso de sapatos ortopédicos podem ser chamados em auxílio, em alguns casos.

Embora se deva manter certo grau de atividade, é preciso observar perío­dos regulares de repouso. Durante o dia é importante parar algumas vezes, digamos, por cerca de meia hora, e descansar em posição confortável, enquanto, ao som de música suave, se pratica a respiração profunda, para relaxar.

O emagrecimento é necessário quando há excesso de peso. O simples fato de perder alguns quilos que sobram diminui a sobrecarga das articulações, reduzindo a dor.

Apesar da dor, não se deve adotar como regra a imobilidade. Obviamente, movimentos inadequados são contra-indicados. As caminhadas são muito boas, pois melhoram os níveis de endorfina, analgésico natural do corpo. Indicam-se exercícios de baixo impacto. Os exercícios dentro da água, devidamente orientados, são ótimos. Pesquisas mostram que o movimento adequado tende a melhorar a dor e a inchação, além de promover a saúde geral.

O uso de medicamentos, como esteróides, narcoanalgésicos e antide­pres­sivos, poderia, na opinião de especialistas, ser reduzido ou evitado na maioria das vezes. A tendência é que a resposta se torne, aos poucos, insatisfatória, e se recomende aumento da dosagem ou mudança para agentes mais fortes, com conseqüências dramáticas para a saúde.

Como diminuir a rigidez matinal?

Alimentação

Como aliviar a dor?

Aplicações tópicas de calor úmido: mergulhar em água suportavelmente quente uma toalha e aplicar no local, diretamente, voltando a mergulhar na água toda vez que esfriar. O calor é contra-indicado em inflamações intensas.

Pomadas à base de eucalipto ajudam em muitos casos.

Óleo de eucalipto ligeiramente aquecido, aplicado no local em massa­geamento bem leve.

Ao óleo de eucalipto podem-se acrescer óleo de menta, cânfora e óleo de cravo. Há produtos no mercado que contêm esses princípios naturais.

Misturar 100g de cânfora com 1 litro de óleo de algodão. Deixar em repouso até dissolver a cânfora. Filtrar e massagear levemente as juntas doloridas.

Como extrair o óleo de cânfora: Ferver as sementes por meia hora, em água. Espremer numa prensa caseira e guardar o óleo assim obtido em um vidro. Tampar bem.

O uso regular, diário, do suco da Morinda citrofolia (noni) vem sendo muito empregado como suplemento alimentar terapêutico contra a artrite reumatóide. Os pacientes relatam alívio dos sintomas e melhora geral. Indicam-se, tradicionalmente, 3 colheres, das de sopa, do suco puro, em meio copo de água, duas a três vezes ao dia.

 

É comum, na artrite reumatóide, o doente acordar com as articulações duras. Há várias sugestões para aliviar esse incômodo. Uma delas, publicada numa revista médica americana (Pediatrics), pode parecer inusitada, mas, em lugares frios, é particularmente útil: passar a noite no saco de dormir. A explicação é que o saco de dormir mantém o corpo mais aquecido e confortável durante o sono.

Outra sugestão é usar, à noite, alguma pomada antiespasmódica.

Pode-se também, antes de dormir, fazer as aplicações já indicadas, à base de óleo de eucalipto, menta etc.

O tratamento natural com dietas e outros meios ajuda no alívio desse sintoma.

Dieta para “desintoxicar”*

* As dietas terapêuticas naturais são empregadas em clínicas naturistas e por medicinas tradicionais. Adote alimentação saudável, mas não mude radicalmente sua alimentação sem orientação profissional.

 

Os semijejuns com sucos de frutas e hortaliças são considerados muito benéficos.

Sugere-se programa como o seguinte, desde que não haja contra-indicação médica:

Por período que poderá variar de 4 a 15 dias seguir a dieta-matriz de desintoxicação, minuciosamente explicada no capítulo 9 a partir da página 83, sob o título de “semijejum de sucos”. Pode-se também adotar essa dieta 10 dias por mês, durante vários meses. Tudo dependerá do estado do paciente e da prescrição médica. É melhor aplicar dietas especiais em pacientes internos.

Passar alguns dias por semana com a seguinte dieta:

Meia hora antes da primeira refeição (ou em lugar da primeira refeição), bebida alcalinizante (ver modo de preparar à página 138).

Desjejum — mamão, ou maçã, ou pêra. Cerejas ou amoras frescas são preferíveis (se for possível obtê-las). Bolachas de arroz integral ou algumas torradas de pão integral. Se preferir use somente fruta.

Almoço — broto de alfafa, salada de rabanete, abóbora amassada (como purê), cenoura com vagem ou brócolis (cozidos). O uso diário de broto de alfafa é particularmente indicado.

Jantar — só morangos (sem agrotóxicos), ou maçã com mamão e algumas bolachas de arroz integral. Pode-se também usar pêssego, ameixa fresca ou maçã. Podem-se combinar essas frutas com sementes de girassol.

Nos intervalos, se houver fome intensa, suco fresco de fruta.

Semanalmente pode-se fazer um ou dois dias de dieta de sucos, e mensalmente repetir a seqüência de quatro dias de sucos. Muitas pessoas se têm beneficiado desse “repouso dietético”, aplicado em várias clínicas no mundo. Entretanto, o programa exato de alimentação deverá ser profis­sionalmente indicado.

Sugere-se a cura de limão, em alguns casos. Entretanto, é preciso considerar individualmente cada caso. É melhor usar água com limão várias vezes ao dia. Não existindo contra-indicação, contudo, pode-se proceder como segue:

 

 

 

 

Citam-se casos de pacientes de artrite que, utilizando, sob orientação ou casualmente, cereja fresca em refeições exclusivas, apresentaram expressiva melhora.

1º dia

1 limão

2º dia

2 limões

3º dia

3 limões

4º dia

4 limões

5º dia

5 limões

6º dia

6 limões

7º dia

5 limões

8º dia

4 limões

9º dia

3 limões

10º dia

2 limões

11º dia

1 limão

Plantas

Uma das plantas mais indicadas no tratamento da artrite reumatóide é a alfafa, que fortalece o sistema imunitário. Como preparar: cozinhe, sem deixar ferver, três colheres, das de sopa, de semente de alfafa (não tratada com agrotóxicos) em pouco mais de meio litro de água. Mexer. Escorrer e espremer as sementes. Antes de tomar, diluir essa solução em água, meio a meio. Tomar quatro xícaras por dia, no mínimo por 15 dias.

São também tradicionalmente indicados os chás depurativos, como cavalinha, dente-de-leão, taiuiá, chapéu-de-couro, mil-em-rama e casca de salgueiro. Costuma-se prepará-los em decocção e tomá-los várias vezes ao dia (duas a quatro xícaras).

Dosagem usualmente indicada: Uma colher das de sopa para meio litro de água. Ferver e coar.

O alecrim, utilizado contra inúmeros distúrbios (como dores de cabeça de origem nervosa e pressão alta), é também útil nas desordens reumáticas. Usá-lo externamente, como fomentação, para alívio das dores, e, internamente, tomar o infuso das folhas e flores, uma ou duas xícaras ao dia —uma a duas colheres das de sopa para meio litro de água. Ferver e coar. A propósito, numa publicação de 1550 (antiga como a colonização das Américas!), o Lytel Herball, lemos o seguinte a respeito dessa erva: “Coloque as flores num pano de linho, fervendo-as em água limpa. Deixe esfriar e beba, pois é excelente contra todos os males do organismo.”

De tempos em tempos é preciso substituir os chás. Aconselha-se parar de usá-los por um pouco e nesse período de abstinência ingerir água abundantemente, ou água com limão.

O programa específico de fitoterapia deve ser estabelecido e conduzido por profissional experiente.

 

Você sabia?

Pêra (Pyrus communis)

Trata-se de fruta útil na dietoterapia da hipertensão arterial.

Modo de usar: Fazer refeições exclusivas de pêra, de preferência como desjejum.

 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.