Bronquite

Bronquite

Que é bronquite?

 

Bronquite é a inflamação dos brôn­quios, provocada por agentes injuriantes, como vírus e bactérias, que ocasionam aumento da secreção normal do muco.

O muco é produzido pela árvore brônquica, como reação normal do organismo. Diariamente as células produtoras de muco segregam cerca de 100cm3 dessa substância, constituída principalmente de proteínas e carboi­dratos. Sua função principal é umedecer o ar inalado e “filtrar” partículas e germes. Mas quando é produzido em excesso, como resultado de irri­tação e inflamação dos brônquios, causadas por germes, você tem bronquite.

A bronquite pode ser aguda ou crônica. A aguda geralmente é benigna e melhora dentro de pouco tempo, com pequena margem de possibilidade para complicações. A forma crônica, entretanto, muitas vezes associada ao tabagismo, pode ser grave.

A forma aguda geralmente é provocada por vírus, às vezes pelos mesmos que causam resfriado ou gripe. As bactérias também podem desencadear bronquite, mas, como acontece em outras infecções, costumam aparecer depois de um ataque viral. As bactérias causam mais estragos em pacientes debilitados, idosos e em portadores de bronquite crônica. Os que têm reação alérgica, do tipo asma, também poderão apresentar problemas com as bactérias, se elas resolverem invadir os brônquios.

Agentes não-infecciosos, como poeira e gases irritantes (sulfetos, mo­nóxido e dióxido de carbono), também podem irritar os brônquios e favorecer a ação dos agentes infecciosos.

 

Sintomas

 

A tosse é um dos sintomas mais característicos. Pode vir forte a ponto de asfixiar. A exposição ao ar frio e a inalação de fumaça (inclusive a de cigarros) pode desencadear a tosse. A respiração difícil e ruidosa costuma acom­panhar a tosse e surge como resultado do deslocamento de massas de muco, que o organismo tenta expelir do pulmão.

Os sintomas comuns às infecções estão presentes: febre, indisposição, dores de cabeça e falta de apetite. Há também expectoração e sensação de ardor no tubo respiratório. Esse desconforto atinge também a laringe e a garganta.

No começo, há pouca expec­toração. Com o passar do tempo torna-se abundante e até purulenta, por causa da infecção.

Bronquite asmática

 

É preciso explicar que, em bronquites agudas não complicadas, é raro haver falta de ar. Quando, entretanto, o paciente é alérgico, apresentando asma, a irritação dos brônquios pelos agentes mencionados poderá desencadear sintomas importantes. É a bronquite asmática, diferente da bronquite que tratamos aqui, digna de cuidado especial (ver asma).

 

Complicações

 

A bronquiolite atinge principalmente crianças e consiste na extensão do processo infeccioso aos bronquíolos, o que agrava o quadro. Mais preocupante ainda é quando os germes provocam a inflamação do pulmão, obstruindo os alvéolos com exsudato, o que determina a pneumonia.

A atelectasia é uma complicação grave. Os brônquios e os bronquíolos sofrem obstrução pelo processo inflamatório. Os alvéolos deixam de ser ventilados e suas paredes se fecham pela absorção do ar neles contido. Trata-se de colapso respiratório.

 

Conselhos gerais

 

Grandes aglomerações e recintos fechados favorecem a disseminação da infecção dos brônquios. Expor-se ao ar frio é contra-indicado, principalmente durante a fase aguda e na convalescença, ou após banho quente.

Manter o organismo em condições satisfatórias de resistência é fundamental tanto na prevenção como no tratamento. Pessoas com boas condições imunológicas dificilmente apresentarão complicações. A bronquite desaparecerá dentro de poucos dias.

Pessoas com organismo debilitado por más condições de alimentação e higiene estão mais sujeitas a contrair bronquite e ter complicações.

 

Bronquite “que volta sempre” (bronquite recorrente)

 

Quando as crises se repetem constantemente, é preciso verificar se não existem focos de germes nas partes superiores do aparelho respiratório (sinusite, otite, amigdalite etc.).

A naturopatia afirma que os maus hábitos alimentares são causa ativa de bronquite recorrente. O consumo exagerado de açúcar, guloseimas e laticínios seria um dos culpados pelos freqüentes ataques de bronquite. Essa tese dietética, defendida por médicos e nutricionistas da linha “naturalista”, está bem fundamentada em fatos. Repetidas vezes temos observado, em nossa clínica, bronquites rebeldes melhorarem expressivamente com simples mudanças na alimentação.

 

 

Problemas alimentares das crianças

 

A alimentação das crianças é, em geral, de péssima qualidade. Isso favorece o surgimento de bronquites. Usam e abusam de balas, refrigerantes, doces, tortas, frituras, fast-foods e outros “entraves”. Os prejuízos à saúde, que vêm como resultado direto desse hábito alimentar, podem ser comentados sob os seguintes aspectos:

1. Estes falsos alimentos são fonte de aditivos químicos nocivos à saúde, como corantes, flavorizantes etc., que podem contribuir para o aparecimento de diferentes distúrbios orgânicos, entre eles, alergias e tumores.

2. A quantidade de açúcar, amido refinado e gordura, ingerida através desses alimentos, é muito maior que o montante possível ao metabolismo processar. O resultado são fermentações gastrintestinais, desequilíbrios metabólicos e disfunções glandulares. O diabetes melito, a obesidade, os distúrbios digestivos, as manifestações alérgicas e a má nutrição são apenas algumas das conseqüências mais comuns.

3. Como explicamos no item anterior, há ingestão exagerada de macronu­tri­entes, como açúcares e gorduras. Mas não há fornecimento adequado de micronutrientes (vitaminas e minerais) necessários ao processamento celular daquelas substâncias. Surgem, então, grandes “congestionamentos” metabólicos, que “entravam” o funcionamento da máquina viva.

4. A resistência imunitária, logicamente, sofre baixas. Qualquer infecção pode instalar-se com mais facilidade, e as reações alérgicas eclodem, em algumas pessoas sensíveis, com espantosa intensidade e freqüência.

5. A criança que usa grande quantidade de alimentos concentrados, como balas, doces, guloseimas, frituras, laticínios, farinhas etc., perderá o apetite para as verduras e os legumes. Algumas perdem até a vontade de comer frutas. O resultado é trágico para a nutrição. Sem verduras e frutas o organismo não terá as fibras, vitaminas e minerais de que necessita para funcionar bem. Não deixarão de surgir doenças, as mais variadas, como inevitável conseqüência.

Para resolver o problema, em primei­ríssimo lugar é preciso encarar com coragem a situação, isto é, coragem para mudar os hábitos alimentares da criança, e enfrentar os obstáculos que essa deci­­são inevitavelmente envolverá. Pessoas menos esclarecidas se oporão ao “fanatismo” de proibir à criança os doces de que tanto gosta. Realmente, não é tarefa fácil, mas não há outro meio de vencer o sofrimento ocasionado por distúrbios como a bronquite.

Os adultos têm de exercer redobrada força de vontade em favor das crianças, ainda imaturas, dando exemplo digno de imitação.

Para “ludibriar” a insaciável vontade de chupar balas, pode-se usar o alcaçuz, planta doce de que se prepara uma “balinha”, que substitui as guloseimas, muito indicada para crianças asmáticas, bronquíticas, sinusíticas ou viciadas em açúcar. Usar na forma de pastilhas, 2 a 4 por dia.

 

Para combater o catarro

 

A recomendação número um para combater o catarro que, na bronquite, constitui um tormento para muitas pessoas, é ingerir bastante líquido. Fazer refeições exclusivas de suco de fruta e tomar água e/ou chás em abundância.

Com a linhaça prepara-se um remédio tradicional muito útil como expec­torante: Moer os grãos de linhaça (sementes de linho) e misturar com mel. Seis colheres de sopa ao dia.

O abacaxi, rico em bromelina, é também ótimo expectorante natural. A seguir, ensinamos o modo de preparo desse e de outros remédios caseiros.

Outros procedimentos

 

É preciso umidificar o ar para que o catarro do pulmão se fluidifique e possa ser mais facilmente eliminado. Vaporizações ambientais são indicadas. Compressas aquecedoras no tórax ou compressas quentes podem aliviar eventuais congestões pulmonares. Se houver problema digestivo, como prisão de ventre, pode ser necessário fazer lavagem intestinal com água previamente fervida, e fazer compressas de argila, de duas horas, no abdome.

 

Vitaminas que podem ajudar a prevenir

 

Uma pesquisa que durou 10 anos, e envolveu dezenas de milhares de pessoas, publicada no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, mostrou que as vitaminas A e C ajudam a prevenir problemas do aparelho respiratório, como bronquite e asma. A vitamina C pode ajudar a proteger o corpo contra a bronquite crônica e o enfisema, e a vitamina E previne ataques de asma. O Dr. Scott Weiss, um dos cientistas responsáveis pela pesquisa, afirma que, embora seja cedo para estabelecerem-se recomendações definitivas, o uso de alimentos ricos nessas vitaminas tem efeitos benéficos. Exemplos de alimentos ricos em vitamina C são os cítricos, o caju, o pimentão, a acerola. O germe de trigo, o amendoim e os cereais integrais são boas fontes de vitamina E.

 

Sugestões naturais

 

Abóbora: dez colheres, das de sopa, de sementes descascadas. Moer com 6 colheres, das de sopa, de mel e misturar bem com 80ml de água. Tomar várias colheres das de chá ao dia, umas seis a oito, entre as refeições, e tomar bastante líquido.

Agrião: Comer agrião em saladas cruas copiosamente. Ou tomar 60 a 150ml de suco de agrião ao dia, dividido em três ou quatro vezes. Pode-se também ferver o suco de agrião com leite em partes iguais e tomar, morna, uma xícara pequena ao dia. A maneira mais branda de usá-lo é o infuso das folhas.

Alho: Bater no liquidificador três dentes de alho, meia xícara de suco de limão e vinte gotas de própolis. Dividir em quatro e tomar ao longo do dia, uma dose por vez.

Cebola: Misturar uma porção de cebola, alho e limão: liquidificar, coar e tomar um copo duplo ao dia, dividido em quatro vezes. É melhor tomar fresco, não guardando por muitas horas esse suco.

Cenoura: Cozer 250g de cenoura bem picada em meio litro de água, até que esta água se torne viscosa. Acrescentar leite e adoçar com mel. Tomar às colheradas, morno. Pode-se usar uma colher de meia em meia hora até que os sintomas aliviem.

Couve: Aplicar sobre o peito cataplasmas quentes de folhas de couve embebidas em óleo de linhaça (de massagem).

Nabo: Usar o xarope de nabo. Como preparar: Corta-se o nabo em rodelas finas, que se põem numa tigela, com açúcar mascavo ou mel por cima. Deixa-se durante a noite ao sereno. De manhã escorre-se o xarope que se forma e toma-se às colheradas. Excelente no combate à tosse e demais incômodos da bronquite.

Rabanete: acrescentar liberalmente à alimentação rabanete na forma de salada.

Abacate: Chá morno das folhas do abacateiro. Uma colher das de sopa para 250ml de água. Ferver por três minutos e coar. Duas a três xícaras ao dia.

Abacaxi: Cortar em fatias, pôr numa panela, acrescentar mel, tampar bem e cozinhar. Depois de esfriar, retirar o suco e colocar em um vidro. Tampar bem. Tomar três a seis colheres das de sopa ao dia.

Figo: Cozinhar o figo, descascado e picado, em água. Fazer refeições exclusivas desse preparado. O infuso das folhas também é indicado.

Figo-da-índia: Comer figo-da-índia assado ao forno.

Maçã: Assar a maçã. Fazer uma refeição de maçã assada quente. Cozer a maçã picada em pouca água e mel. Tomar esse caldo morno, na dose de uns 100ml várias vezes ao dia. Indica-se também o infuso das flores da macieira tomado morno.

Mamão: Infuso das flores do mamoeiro-macho com um pouco de mel. Tomar dois goles de hora em hora, morno.

Manga: Cozinhar o suco natural de manga com mel, até ficar reduzido à metade. Tomar uma colher das de sopa de hora em hora.

Melancia: substituir esporadicamente uma refeição por melancia.

Favo de mel: mastigar um pedaço de favo de mel pelo menos três ou quatro vezes ao dia. Preferir mel de eucalipto.

 

É comum começar com uma leve sensação de “coceira” na garganta. Logo vem o desconforto respiratório, com ruídos característicos na caixa torácica: sibilâncias e roncos. A resposta do organismo é explosiva: tosse, às vezes muito forte. E lá vem o catarro, ou muco.

Dieta na fase aguda

Durante a fase aguda a dieta deve ser rica em líquidos, constituída principalmente de sucos, frutas, cereais integrais e verduras frescas. Devem-se evitar laticínios (leite, queijo, iogurte etc.), doces, guloseimas, refrigerantes, carnes, açúcar, frituras e massas brancas. Adotar regime naturista saudável. Enquanto houver febre usem-se sucos de frutas, como o de laranja.

Alimentação preventiva

Vem-se observando na prática uma relação entre o açúcar, os laticínios e a mucogênese. Esses alimentos favorecem a produção de muco e criam ambiente “festivo” para os germes. Por isso, diminuir seu consumo e, em muitos casos, aboli-lo por bom tempo, é o primeiro passo rumo à prevenção da bronquite repetitiva. Outras providências recomendadas em alimentação natural são também indicadas. Ler, a propósito, capítulos 4 e 5, que falam com maiores detalhes sobre alimentação saudável.

Dieta terapêutica natural*

1º dia

1 limão

2º dia

2 limões

3º dia

3 limões

4º dia

4 limões

5º dia

5 limões

6º dia

6 limões

7º dia

5 limões

8º dia

4 limões

9º dia

3 limões

10º dia

2 limões

11º dia

1 limão

* Adote alimentação saudável, mas não mude radicalmente a alimentação sem orientação profissional individualizada.

Para desintoxicar recomenda-se um programa como o seguinte:

Para as crianças sugere-se, durante um mês pelo menos, um dia por semana ou por quinzena só com frutas e/ou sucos de frutas (refeições de três em três horas). Não misturar sucos nem frutas; usar um tipo de suco e um tipo de fruta por vez.

Manter repouso nesse dia. Duas vezes por semana sugere-se substituir uma refeição (como o desjejum) por maçã, exclusivamente. Em lugar da primeira refeição, em jejum, pode-se usar esporadicamente a bebida alcalinizante (ver modo de preparar à página 138). Quem não tolera bem essa bebida pode tomar água com limão e três gotinhas de própolis.

Para os adultos sugere-se desintoxicar o organismo passando um dia por semana com dieta de frutas, como a maçã ou a uva ou o melão, a cada três horas, e outro dia na semana com dieta exclusiva de sucos de frutas, durante três meses. Também é conveniente, dois dias por semana, substituir uma refeição por maçã, exclusivamente. Se houver prisão de ventre, misturar maçã e mamão. Meia hora antes da primeira refeição, em jejum, tomar a bebida alcalinizante (ver modo de preparar à página 138), ou água com limão.

A cura de limão é tradicionalmente indicada:

Plantas*

* As plantas aqui citadas são empregadas por clínicas naturistas ou medicinas tradicionais, e as doses são também tradicionais. Lembrete: Não suprimir a orientação médica.

 

Várias plantas: Os manuais de fitoterapia sugerem várias plantas, a maio­ria das quais muito conhecidas: alecrim-de-jardim, angélica, bardana, borragem, guaco, malva (flores), sálvia, tília e violeta (flores). Misturar duas ou três dessas plantas, em infusão. Tomar duas a três xícaras ao dia, e mudar a mistura do chá a cada três dias. O eucalipto é muito bom em inalações (uma a três inalações diárias). Se houver tosse, catarro e falta de ar, pode-se usar chá de assa-peixe ou de cambará em combinação com os já mencionados.

Dosagem tradicionalmente indicada: Uma colher, das de sopa, da mistura de plantas para meio litro de água. Preparar na forma de decocção ou cozimento. Ferver durante três minutos e coar.

Preparados à base de mel, própolis e extrato de eucalipto são muito indicados.

Prímula: Recomenda-se também o decocto de prímula, na dosagem de 1 colher, das de café, da raiz, em uma xícara de água. Ferver por três minutos. Deixar repousar uns quinze minutos. Tomar duas xícaras ao dia, quentes, aos goles, adoçadas com mel e acrescidas de quinze gotas de solução de própolis (30 ou 40%).

Tussilagem: Quando há tosse, um dos melhores remédios naturais é a tussilagem, cujo nome, em latim, tussilago (tussi deu origem à palavra tosse) significa “dispersador da tosse”. Para preparar um poderoso xarope contra a tosse, cobrir três colheres, das de sopa, de folhas bem frescas de tussilagem com meio litro de água e ferver até que a água se reduza a uma xícara. Coar e acrescentar mel. Deixar ferver novamente. Colocar num vidro. Cada vez que a tosse se manifestar, tomar uma colher das de chá. No caso da bronquite pode-se fazer a inalação com o decocto dessa planta. No mercado há xaropes prontos à base de tussilagem.

A tintura de tomilho (10 gotas para 70ml de água) é também muito boa contra a tosse.

 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.