Hemorróidas

Hemorróidas

 Que são hemorróidas?

 

Hemorróidas são varizes na parede retal inferior ou na parede do ânus.

Mais comuns do que se imagina, as hemorróidas atacam maciçamente o homem civilizado, como resultado de seus hábitos físicos e dietéticos.

Há dois tipos básicos de hemor­róidas: as internas e as externas. As externas se situam fora do ânus, achando-se recobertas de epitélio, como o da pele, e as internas estão recobertas por mucosa.

 

Causas

 

A circulação sangüínea na região anal é, em condições normais, já um fenômeno fisicamente delicado. Quando fatores como prisão de ventre, tendência hereditária, vida sedentária, partos repetidos ou processos infecciosos locais se somam, estão criadas condições propícias ao surgimento das incômodas hemorróidas.

Antigamente, relacionavam-se as hemorróidas com atividades como andar a cavalo. Há curiosa menção histórica de uma crise de hemorróidas em Napoleão, que, na Guerra de Waterloo, enquanto Wellington derrotava suas tropas, teve de se retirar, sofrendo terrível dor, para ser sangrado por seu médico particular. Mas sabe-se que Napoleão era proverbialmente intemperante; promovia freqüentes orgias e banquetes.

Hipertensão arterial, cirrose dos alcoólatras e certas doenças renais contribuem para seu aparecimento ou agravamento.

 

Sintomas

 

Os sintomas mais comuns são ardência e dor na região do ânus, principalmente na hora de evacuar. Às vezes ocorre sangramento, que tinge as fezes de vermelho vivo. Grandes ampolas varicosas, ao se romperem, podem dar lugar a hemorragia séria, que requererá intervenção médica. Freqüentes hemorragias podem causar anemia. O sangramento intestinal, aliás, sempre merece avaliação médica, pois pode ser sinal de outros problemas, como câncer.

Há hemorróidas que crescem tanto que saem pelo orifício anal, sofrendo estrangulamento (prolapso hemorroidal), e oferecendo o risco de trombose e ulceração. Em casos extremos, pode ser necessária a cirurgia, pois há risco de complicações, como a trombose venosa hemorroidária. Mas a cirurgia, embora necessária em casos extremos, não impede a formação de novas hemor­róidas. Por isso, é vital observar permanentemente cuidados preventivos, particularmente dieta saudável, como aqui orientado.

Um esforço excessivo ao evacuar é causa comum de problemas.

As crises podem vir como resultado de prisão de ventre, diarréia, acesso de tosse, ou depois de abusos alimentares. Há pessoas que portam hemor­róidas sem saber.

 

Alimentos culpados

 

Determinados alimentos são também culpados por desencadear crises ou favorecer o desenvolvimento de dilatações varicosas no ânus: molhos, cremes, frituras, condimentos, temperos picantes, massas refinadas, queijos, pão branco, farinhas, fast-food, guloseimas. Devem-se também evitar: refrigerantes, café, embutidos, frios, produtos industrializados, carnes, alimentos gordurosos, conservas, margarina, manteiga, laticínios. Nas crises agudas, convém também abolir certos alimentos naturais, como feijões, ervilhas, tomate, oleaginosas, alho, cebola e outros condimentos. Bebidas alcoólicas e fumo devem ser abolidos, pois desestabilizam o organismo e enfraquecem os vasos.

Deve-se adotar dieta saudável, rica em frutas, verduras e cereais integrais. 

 

Como aliviar a dor

 

Casos mais brandos encontrarão alívio num banho de assento morno de uns vinte minutos. Se possível, acrescentar à água do banho as ervas pau-d’alho e sabugueiro (acrescê-las na fervura). Tomar, também, por via oral, o mesmo chá, ao longo do dia (uma colher das de sopa para 300ml de água; ferver e filtrar). Mas, em muitos casos, poderá ser preciso aplicar pomadas analgésicas locais, ou supositórios. Sangramentos poderão ser detidos aplicando-se no local gelo triturado.

 

Exercícios físicos

 

Como causa de hemorróidas, soma-se à alimentação imprópria a vida sedentária. Ficar muito tempo sentado ou em pé é fator de estase venosa na região anal, o que produz dilatações vari­cosas no plexo hemorroidário. As causas das hemorróidas são, aliás, mais ou menos as mesmas das malquistas varizes dos membros inferiores. Profis­sionais que precisam permanecer muito tempo imóveis, como motorista, piloto, cabeleireiro, escriturário, digitador, telefonista, secretária etc., são particularmente sujeitos a hemorróidas.

Os exercícios físicos moderados ajudam a evitar hemorróidas, pois estimulam a circulação do sangue e fortalecem os vasos. Caminhar, nadar e praticar exercícios aeróbios, pelo menos três vezes por semana, sem esforços exagerados, são atividades geralmente indicadas.

 

Hidroterapia e aplicação de argila*

 

Fora das crises, recomenda-se um banho de tronco e uma aplicação abdominal diária de argila, de duas horas. Aplicar argila no local, misturada com azeite de oliva e envolvida em gaze, ajuda, em muitos casos, a aliviar as dores. 

Cada ida ao banheiro torna-se um suplício. A dor é insuportável. Elas dão mais uma vez o aviso de que estão ali. E o alarme de que algo vai errado com a saúde, com os hábitos. Na vida moderna, nada pode ser ao mesmo tempo tão comum e tão incômodo como as hemorróidas, que insistem em fazer companhia a nosso estilo de vida sedentário e à nossa comida refinada e desvitalizada.

 

Alimentação

Para que as hemorróidas fiquem “quietinhas”, ou mesmo para acalmar episódios de crise, a dieta é, sem dúvida, o melhor recurso. Embora não tire imediatamente da crise, a dieta, dentro de pouco tempo, pode auxiliar significativamente no desaparecimento dos sintomas (exceto em casos mais graves, é claro). Sugere-se, por poucos dias, a seguinte dieta:

1. Mastigar completamente os alimentos. Mastigá-los tão bem que se transformem em massa líquida e uniforme na boca.

2. Desjejum e jantar: maçã e mamão (mais mamão do que maçã, para quem tem prisão de ventre), exclusivamente. Os de intestino preso podem também comer ameixa fresca, exclusivamente. Se o paciente tiver de manter-se ativo, comer primeiro essas frutas, depois algumas torradas de pão integral.

Almoço: arroz integral, exclusivamente. Quem não tolera o arroz integral pode usar salada de grãos germinados, legumes cozidos e abóbora bem cozida. Antes do almoço, pode-se tomar, ensalivando bem, suco de cenoura com salsão.

Os macrobióticos recomendam, durante toda a fase aguda, dieta exclusiva de arroz integral. Essa dieta (em que se usa só arroz integral), embora monótona, vem sendo experimentada com bons resultados em fases agudas.

Para prevenir recidivas, manter dieta saudável, mastigar muito bem e evitar os alimentos retrocitados.

Quem tem prisão de ventre deve tratá-la sem demora, pois é a grande causa não só das hemorróidas como do câncer intestinal e de inúmeros outros problemas crônicos. Ver prisão de ventre.

 

Plantas e outras sugestões naturais

Ameixa — Fazer refeições exclusivas de ameixa fresca (não a ameixa seca). Durante algumas semanas, substituir o desjejum (ou o jantar) só por ameixas frescas. Dá ótimos resultados, devido ao conteúdo balanceado de fibras dessa fruta.

Castanha-da-índia — Tradicionalmente, indica-se tomar, para prevenção das crises, três drágeas de 100mg três vezes ao dia, às refeições.

Centella asiática — Esta planta, famosa no Oriente, apresenta a propriedade de estimular os fibroblastos e equilibrar a função das fibras colágenas. É muito útil contra as dilatações varicosas em geral, e nas hemorróidas. Tradicionalmente, indica-se tomar de três a seis cápsulas de 250mg ao dia, ou nas principais refeições.

Confrei — Decocto (fervura) com uma colher, das de sopa, da raiz pulverizada de confrei em 250ml de água. Ferver por meia hora. Coar. Indica-se essa quantidade ao longo do dia, aos goles. Não usar por mais do que dois ou três dias, devido ao efeito possivelmente tóxico dessa planta. Indica-se tradicionalmente acrescentar a esse chá meia colher, das de sopa, de folha de hamamélis. Usá-lo também externamente, para o que se pode usar o triplo da dose. Embeber compressas de gaze nesse líquido, frio e filtrado, e aplicar diretamente sobre as hemorróidas. Manter-se deitado de costas. Renovar a cada vinte ou trinta minutos.

Erva-de-bicho — Pomadas à base dessa planta ajudam tanto na prevenção como no tratamento em fase aguda.

Hamamélis — Aplicar localmente pomada ou supositório de hamamélis para prevenir crises. Em farmácias homeopáticas, prepara-se uma fórmula à base de Hamamélis, Paeonia, Rathania e Aesculus, um dos melhores recursos fitoterápicos no tratamento de hemorróidas.

Mata-pasto — planta comum em locais úmidos: folhas secas e pulverizadas, misturadas com um pouco de água, na forma de pomada. Aplicar diariamente no local.

Melão — Para aliviar dores, tradicionalmente indica-se aplicar no local pequenos pedaços de melão.

Mil-folhas (ou mil-em-rama) — Conta antiga lenda grega que um centauro teria usado essa planta para tratar uma ferida no herói Aquiles, que se restabeleceu completamente. Por isso, seu nome científico é Achillea mille­folium (Achillea vem de Aquiles). Hoje sabe-se que possui propriedades cicatrizantes, sendo muito útil contra varizes, feridas em geral e hemorróidas. No caso das hemorróidas, preparar uma infusão com 10g de flores (duas colheres, das de sopa, da planta em meio litro de água). Coar e beber de duas­­­­­­­­­­ a três xícaras, de chá, ao dia. Aplicar também compressas frias-mor­­­­­nas no local, do chá mais concentrado, isto é, deixar 100g de folhas mais 100g de flores em dois litros de água durante a noite. No dia seguinte, aquecer sem ferver. Aplicar por quinze minutos, após as evacuações.

 

* A hidroterapia, a geoterapia e os outros tratamentos naturais aqui citados são empregados por medicinas tradicionais ou clínicas naturistas. Lembrete: não suprimir a orientação médica.

 

 

 

Você sabia?

Confrei (Siymphytium offici­nalis)

É indicado para combater espinhas (acne), feridas, fraturas.

Modo de usar: Externamente, fazer cataplasmas com o suco fresco ou as folhas maceradas. Com algodão, aplicar o sumo fresco sobre as espinhas.

 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.