Tinha (Micose do Couro Cabeludo)

Tinha (Micose do Couro Cabeludo)

 Tinha no Velho Testamento

 

Na Bíblia, nos tempos do êxodo, o sacerdote, que acumulava a função de médico, deveria examinar o paciente que apresentasse certas lesões na pele, suspeitas de lepra. Em Levítico, capítulo 13, encontramos a minuciosa explicação sobre como proceder ao diagnóstico diferencial: “Se a tinha não se houver espalhado e nela não houver pêlo amarelo, e não parecer mais profunda do que a pele, então o homem será rapado, mas não se rapará a tinha.” Depois de várias semanas, “se pêlo preto cresceu nela, a tinha está sarada.”

 

Que é tinha?

 

Tinha é micose do couro cabeludo, e se manifesta por coceira, descamação e perda dos fios, que se rompem na altura da raiz. Afeta principalmente crianças, anciãos e pessoas de resistência debilitada. Às vezes, ocorrem “epidemias” de tinha em orfanatos, escolas e asilos. É altamente contagiosa. Transmite-se pelo contato, pelo uso de pentes, escovas, grampos etc.

Há três tipos principais de tinha: a tonsurante, a favosa e a Kerion celsii.

 

Tinha tonsurante

 

A tinha tonsurante é assim chamada por lembrar a tonsura dos padres. Rara em adultos, forma inicialmente uma placa rosada, arredondada, no couro cabeludo, que geralmente é notada durante a lavagem do cabelo. Com o tempo, se torna esbranquiçada, e começa a descamar. Logo se perdem os cabelos na região delimitada pela placa. Podem haver poucas placas grandes, ou muitas pequenas, conforme o tipo de fungo agressor. Às vezes, surgem sinais de inflamação, com formação de pus. Depois de curada, o cabelo volta a crescer.

 

Tinha favosa

 

A tinha favosa é mais comum na região litorânea do Mediterrâneo. Causada por um tricófito, o Schoenleini, dura mais tempo que as demais tinhas, podendo destruir o folículo piloso, causando falhas permanentes no couro cabeludo.

Aparece geralmente na infância, mas não desaparece espontaneamente na adolescência, como é o caso da tinha anteriormente descrita. Tipicamente, o favo se apresenta em formato de taça recoberta de uma crosta amarelada, com tufos de cabelo no meio. Uma característica que torna este tipo de doença particularmente desagradável é o mau cheiro que ocasiona. O couro cabeludo fica cheirando a ninho de ratos.

 

Tinha Kerion celsii

 

A tinha do tipo Kerion celsii provoca uma inflamação, com formação de pus, assumindo aspecto de abscessos somados. Surgem placas avermelhadas, recobertas de crostas amareladas. Costuma aparecer mais em crianças, mas pode atacar adultos, e não é incomum que apareça na barba.

 

Tratamento

Observar prescrição do dermatologista. Os naturopatas recomendam extrato de pfaffia, três aplicações diárias, e uma aplicação de polpa de babosa por dia. Ver também cabelo. Fortalecer internamente o sistema imunitário por meio de alimentação correta e suplementos, como geléia real, equinácea, unha-de-gato e pelo menos doze comprimidos diários 500mg de lêvedo de cerveja, que contém os princípios nutricionais necessários ao fortalecimento dos pêlos. Internamente, tomar água com limão quatro vezes ao dia, e chá de chapéu-de-couro de duas a três xícaras ao dia (duas colheres, das de sopa, da planta em 500ml de água; ferver e filtrar).

 

Você sabia?

Babosa (Aloe vera)

É tradicionalmente indi­cada para combater erisi­pela, hemor­róida, queda de cabelo.

Modo de usar: Aplicar localmente a polpa. Melhor ainda é pulverizar com spray de babosa, à venda em boas casas de produtos naturais.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.